/

Cinema na periferia: Projeto irá exibir o filme Marighella gratuitamente no Jurunas

Começar

O cinema é uma arte amada por muitos, mas que nem sempre consegue ser acessível a todos que a admiram, principalmente quando falamos de  pessoas das regiões periféricas. Pensando nisso, foi criado o projeto Telas em Movimento, que irá exibir no próximo dia 25 de novembro as 19 horas, o filme Marighella no bairro do Jurunas em Belém. 

O filme, que é a primeira obra dirigida pelo ator baiano Wagner Moura, será exibido de forma gratuita no bairro belenense, mas calma que e a distribuição dos ingressos será feita através de organizações sociais.

Por conta da pandemia, para evitar superlotação, o local de exibição não é divulgado e sim informado diretamente para as organização sociais. A inscrição das organizações sociais que queiram participar são feitas por meio de formulário divulgado na página do projeto até o dia 18 de novembro.

O formulário também pode ser acessado através do link abaixo:

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLScV8bl_j-onOcr3_Fvd5XSjnc38woS5GpQXo-m_xx3-tj0oEw/viewform

pôster de chamada da exibição do filme Marighella

A exibição do filme será feita na segunda Mostra Negra, que também vai exibir o curta metragem “Lá no Jurunas” que foi feito por jovens do bairro em 2019 e a websérie “Pretas na Pandemia”, feita por paraenses e gravada em formato de tela de celular. 

Segundo Joyce Cursino, idealizadora do Telas em Movimento e coordenadora geral do projeto, o objetivo é democratizar o acesso ao cinema nas periferias e comunidades tradicionais da amazônia. 

O Telas em Movimento acontece nas periferias da região metropolitana de Belém, mas também em aldeias, quilombos e outros municípios do Pará. O projeto existe desde 2019 e é uma realização da produtora cultural audiovisual Negritar filmes e produções. 

“O Telas em Movimento é um projeto de democratização do acesso ao cinema realizado por uma produtora 100% negra da região, a Negritar Filmes e Produções. As edições são construídas coletivamente com a participação de caciques, lideranças comunitárias, organizações sociais, comunicadores populares e produtoras independentes. O projeto estimula uma nova dinâmica de criação, percepção e distribuição das narrativas amazônicas, por meio de formação audiovisual com a juventude, além de debates e circuito de exibições nos territórios periféricos e comunidades tradicionais em diversas localidades do Pará.Em cada nova exibição, parcerias são feitas, quem está junto com a produtora Negritar nessa exibição é  o Gueto Hub que foi conquistado através do edital Preamar da Paz, lançado pela pela secretaria de cultura do estado do Pará.

Joyce Cursino em entrevista ao Belém Trânsito

Deixe sua resposta

Your email address will not be published.

Fechar AD