/

Cirurgião investigado por deformar narizes diz que pacientes que fizeram denúncias “não são confiáveis”

Começar

O cirurgião plástico Alan Landecker, suspeito de deformar os narizes de 30 pessoas em hospitais renomados da cidade de São Paulo, divulgou uma nota em que diz que as fontes que denunciaram “não são confiáveis” e que “as informações utilizadas não correspondem a verdade dos fatos”

Landecker disse ainda na nota que os pacientes receberam ‘tratamentos clínico-cirúrgicos reconhecidos e que seguem os mais rígidos protocolos estabelecidos pela comunidade cientifica”.

Os pacientes dizem que seguiram todas as recomendações médicas , mas mesmo assim foram acometidos por infecções bacterianas após os procedimentos cirúrgicos com o especialista em rinoplastia. Os resultados foram deformações, perda de olfato e perfuração devido ao apodrecimento da pele.

Segundo as denúncias, após dois anos do procedimento cirúrgico, os pacientes não tiveram alta pois ainda estão fazendo tratamento, mas não têm um prontuário que os oriente sobre o que deve ser feito.

Um dos casos mais graves é o do empresário Veraldino de Freitas Júnior, de 35 anos, que continua com uma ferida aberta desde a cirurgia, realizada em setembro de 2020. Ele já gastou R$ 300 mil reais com outras três cirurgias, uso de antibiótico intravenoso diariamente, além de ter sua saúde mental comprometida. 

Paciente de Alan Landecker, Veraldino Freitas. Foto: Arquivo pessoal

Outra paciente que denunciou que o cirurgião opera sem médico-assistente e quem o acompanha é um instrumentador. Além disso, ela diz que há informações forjadas nos prontuários. Ela ficou com um buraco no septo após o procedimento.

O Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) e a Polícia Civil já iniciaram as investigações sobre Alan Landecker.

Os hospitais Albert Einstein, Sírio Libanês e São Luiz afastaram o médico e abriram sindicância para apurar os casos.

Paula Oliveira, paciente de Alan Landecker

Marília Frank também foi paciente de Alan Landecker

Veja a nota de Alan Landecker na íntegra:

“O médico já realizou mais de 4 mil rinoplastias, sendo 80% casos de rinoplastias secundárias complexas, com baixo número de complicações e nenhum tipo de reclamação judicial. A Rinoplastia é uma cirurgia complexa cujo processo de cicatrização é imprevisível e incontrolável. Complicações como a infecção, que são mais comuns em rinoplastia secundária, podem surgir mesmo que todas as etapas do tratamento tenho sido realizadas corretamente”.

“A rinoplastia é uma cirurgia complexa cujo processo de cicatrização é imprevisível e incontrolável. Complicações como a infecção, que são mais comuns em rinoplastia secundária, podem surgir mesmo que todas as etapas do tratamento tenho sido realizadas corretamente pelo médico”.

“Vale lembrar que o sucesso de qualquer cirurgia depende de fatores ligados aos pacientes como idade, saúde, imunidade, alimentação, higiene e especialmente o seguimento das orientações médicas”.

“Os pacientes em questão estiveram aos cuidados do Dr. Alan Landecker, tendo recebido tratamentos clínico-cirúrgicos reconhecidos e que seguem os mais rígidos protocolos estabelecidos pela comunidade cientifica”.

“As rinoplastias foram realizadas sempre em hospitais de primeira linha em São Paulo, transcorreram sem anormalidades e tiveram excelentes resultados ao final das cirurgias. Fotografias foram realizadas e enviadas aos pacientes como comprovação”.

“Todos os pacientes da Clínica são acompanhados de forma intensiva por 3 anos, sendo que a iniciativa de não seguir fielmente as orientações medicas ou interromper o tratamento foi tomada pelos pacientes em questão. No que depende do profissional e sua equipe, não houve qualquer indício de negligência, imprudência ou imperícia”.

“As infecções ocorridas na minoria dos pacientes operados durante a pandemia são de causa provavelmente multifatorial, sendo que os casos mais graves foram causados por seis tipos de bactérias hospitalares – Micobacterium, Pseudomonas, Klebsiella, Stenotrophomonas, Achromobacter e Burkholderia”.

“Bactérias comunitárias como Staphylococcus, Corynebacterium e principalmente Enterococcus, presente nas fezes de humanos e animais domésticos, causaram as infecções mais leves. A maioria dos pacientes foi tratada com sucesso do ponto de vista estético e funcional”.

“Seguindo as normas da ética profissional, confidencialidade, educação e respeito, nenhum detalhe individual dos pacientes será discutido publicamente nesse comunicado”.

“Mesmo assim, Dr. Alan Landecker e equipe manifestam de forma sincera, consternada e profunda sua solidariedade a todos os pacientes que apresentaram qualquer tipo de intercorrência. O imenso cuidado e perfeccionismo do trabalho fez com que complicações sejam sempre lamentadas com veemência”.

“Com relação às instalações da clínica, todos os protocolos de tratamento foram auditados pela OH Consulting, empresa especializada em infectologia. Em outubro de 2021, uma visita técnica da Vigilância Sanitária da prefeitura de São Paulo atestou excelentes condições para o seu funcionamento”.

“Desde a migração exclusiva ao Hospital Israelita Albert Einstein, em nome da segurança dos pacientes, mais de 50 rinoplastias foram realizadas nos últimos 6 meses sem qualquer caso de infecção”.

“Ressaltamos ainda que as fontes utilizadas pela imprensa não são confiáveis, pois possuímos provas inequívocas e abundantes de que as informações utilizadas não correspondem a verdade dos fatos. A imprensa, assim como vocês, está sendo enganada”.

“Finalmente, a desobediência de princípios básicos de convivência social por parte dos ex-pacientes como assédio moral, perseguição, racismo, calúnias e difamações de toda ordem estão sendo tratadas nas esferas competentes”.

Deixe sua resposta

Your email address will not be published.

Fechar AD