Foto: Reprodução
///

Edmilson Rodrigues sobre os alagamentos em Belém: é preciso investir mais

Em entrevista, prefeito de Belém falou sobre o saneamento na capital paraense

Começar

O prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, conversou com Mary Tupiassu para o quadro BT Entrevista e falou sobre as áreas de ocupação irregular da cidade e os problemas de alagamentos que elas enfrentam. “Na cidade, no leito do rio, tem milhares de casas.É um problema sanitário. Claro que a ocupação do leito do rio implica em alagamentos de quem mora lá. Não podemos apagar a nossa história, então temos que fazer investimento em macrodrenagem dos sistemas hídricos de Belém. Temos várias bacias, são 14. Tem solução técnica? Tem, mas precisa ter dinheiro para investir”, afirmou Edmilson.

Edmilson relembrou ainda sobre as obras da bacia hidrográfica do Una, iniciada pelo então governador Jader Barbalho. “A bacia do Una, a obra começou pelo Jader Barbalho, parou com Carlos Santos, aí em 1997 ela estava parada e qual foi o prefeito que negociou em Brasília com o Banco Interamericano a continuação do projeto quando o governador já era o Almir Gabriel? Modéstia à parte, eu. Maio de 1997 a obra reinicia, meses depois parou porque eu descobri fraude, corrupção, pagamento a mais para a Andrade & Gutierrez, em detrimento da empresa Estacon do Pará”, contou.

Jader Barbalho iniciou as obras do Una quando ainda era governador do Pará. Foto: Reprodução.

Segundo Edmilson, com a obra ainda em andamento, em 2004, o Governo do Estado, então liderado por Simão Jatene, não entregou as máquinas que eram necessárias por não aceitar passar a obra para a prefeitura. “200 máquinas tinham que ser entregues para nós, para o prefeito Edmilson administrar. Foram entregues? Não. Porque o Governo do Estado não aceitou passar para a prefeitura de Belém”, contou ele.

Duciomar Costa foi prefeito de Belém de 2005 a 2013. Foto: Reprodução.

O prefeito contou ainda que as máquinas, entregues já no governo de Duciomar Costa, ficaram encostadas em desuso. “As máquinas foram todas estacionadas quando foram entregues ao prefeito Duciomar, que deixou todas estacionadas em um terreno em Ananindeua. Era impossível não ver aquele cemitério de máquinas. Máquinas novas, compradas com dinheiro do financiamento que o povo paga até hoje, foram destruídas pelo tempo”, lamentou Edmilson.

SOLUÇÕES

O Prefeito admite que é preciso investir mais para solucionar os alagamentos. Foto: Reprodução.

O prefeito da capital paraense disse ainda que o que está sendo feito não está dando conta do problema. “O que nós estamos fazendo não está dando conta. Limpar o que existe. É preciso investir no Una. Tem recursos, quase R$ 76 milhões, dentro do Promaben – Programa de Saneamento da Bacia da Estrada Nova, que vai ser usado na recuperação da Bacia do Una, só que o banco ainda não liberou para a gente fazer esse serviço”, contou Edmilson.

Sobre uma previsão de entrega para a Bacia da Estrada Nova, o prefeito avaliou que precisa de mais dois anos para a conclusão da obra. “A previsão era de 40 meses. Teremos mais dois anos, a metade do meu mandato, para concluir. Como ficou muito tempo parado (na gestão anterior), e cada investimento do BID tem que ter a contrapartida, nós devemos entrar em um terceiro ano fazendo obra”, detalhou o prefeito.

Além disso, Edmilson fala ainda sobre a futura construção da, segundo ele, maior Estação de Tratamento de Esgoto da Amazônia. “Já está com projeto quase pronto. O emissário vai entrar na baía para projetar os dejetos já tratados, para evitar a poluição da cidade. É uma obra portentosa, mas que inclui, nesse programa que avança, os recursos que ainda não estão liberados”, contou.

Confira o trecho da entrevista com o prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues.

Deixe sua resposta

Your email address will not be published.

Fechar AD