/

O que acontece com o seu cérebro quando você fica sem o whatsapp?

O efeito no organismo pode ser tão devastador que equivale a abstinência de uma droga como álcool ou cigarro.

Começar

  

Ansiedade, mudança de humor, irritação, sensação de que está devendo alguma coisa. Com a queda das redes do Mark Zuckerberg, na tarde de hoje (04) muita gente está sofrendo com abstinência do whatsapp.

O WhatsApp tem mais de 2 bilhões de usuários ativos em todo o mundo e é o aplicativo de mensagens móveis mais usado do planeta. Mais de 100 bilhões de mensagens são enviadas todos os dias no WhatsApp.

Essa sensação de desespero ante a queda da plataforma tem nome, nomofobia (no-mobile-phone phobia, que em português significa medo de ficar sem telefone celular). A nomofobia vem acompanhada de sintomas como ansiedade, sensação de mal estar, perda de apetite e de sono e irritabilidade.

Segundo especialistas, o efeito do uso diário e excessivo no organismo do indivíduo é equivalente ao consumo de uma droga como nicotina ou álcool. Com a suspensão do uso, o resultado, consequentemente, é de uma abstinência.

Entenda aqui como o uso do whatsapp e outras redes sociais atuam no seu organismo: 

Fase 01: O estímulo 

Um novo estímulo que o organismo aprende a lidar, descobrindo novas dinâmicas e funcionalidades

Fase 02: Recompensa 

Se o uso da ferramenta passa a dar prazer ou comodidade,  o cérebro aumenta a liberação de um neurotransmissor importantíssimo, a dopamina

Fase 03: Círculo vicioso 

Como tem uma recompensa, o cérebro começa a criar um circuito: quanto maior é o uso, mais o cérebro libera dopamina. Por isso, a pessoa acaba aumentando a atividade online. 

Fase 04: Abstinência 

Quando o corpo para de receber o estímulo, o cérebro aumenta a liberação de uma outra  substância, chamada noradrenalina, e este é um hormônio que causa ansiedade, como pressão alta, taquicardia e inquietação.


Se você está tendo essas sensações, talvez seja um bom momento para parar e refletir sobre a superdependência dos aplicativos de conversa. A psicóloga, Roberta Rios, indica que para esses casos de abstinência, as pessoas iniciem um exercício de respiração, para ajudar no controle dos estímulos nervosos e batimentos cardíacos. “Além de outras atividades, como, atividade física, ver pessoas pessoalmente, ler um livro, sempre buscando maneiras aliviar esse desconforto”, afirma Roberta.

Deixe sua resposta

Your email address will not be published.