//

Por que as autoridades temem um novo surto de covid no Pará?

Começar

Há menos de uma semana, o Governador do Estado, Hélder Barbalho foi às redes sociais falar sobre os baixos índices de vacinação, fazendo apelos para que a população se vacine.

Com alta de casos em algumas regiões do estado, como na região de Carajás e Baixo Amazonas, impactando na ocupação de leitos e pressionando o sistema público de saúde, o governo acendeu o alerta após algumas semanas de relativa tranquilidade com relaxamento de medidas de restrição e números da covid-19 bem abaixo do início deste ano e do ano passado, quando houve lockdown e pico de mortes e casos.

Ocupação de leitos em todo o estado – dia 02 de dezembro de 2021
Média de Casos Diários por Região do Pará

Europa e Ômicron

Com o aumento de casos e óbitos na Europa e o aparecimento de uma nova variante, a chamada Ômicron, estados brasileiros cuja a vacinação está abaixo da média nacional precisam se preocupar com possíveis novos surtos e o Pará é um deles. Voltando para o continente europeu, a Alemanha, por exemplo, com os dados mais atualizados, mostra uma média de 60 mil novos casos diários. Na França, em um único dia, 47 mil novos casos foram confirmados. Na Rússia, os números mostram médias de óbitos acima de 1.000 ao dia. As duas ondas da pandemia no Brasil poderiam ser previstas quando a Europa soou o alerta no início do ano passado e deste ano. Agora, final do ano de 2021, que está sendo considerado mais uma onda se espalhando pela Ásia e Europa, o Brasil deve acender o alerta.

Déficit de doses para o Norte e Nordeste

Os índices de baixa vacinação também se evidenciam pela distribuição desigual em todo o país. É o que revelam os dados do Ministério da Saúde.

Atualmente o Brasil distribuiu cerca de 372 milhões de doses para as unidades federativas. Isso dá uma média de 1,77 dose por habitante, no geral. Dentre os 26 estados e o Distrito Federal, o Pará é o que menos recebeu doses proporcionais à sua população.

Vacinação nos municípios paraenses

Quando olhamos para a situação do Pará no ciclo completo de vacinação - 2ª dose ou dose única - o estado só perde para o Amapá, com 38% da população vacinada. O Pará atualmente tem 41% da população completamente vacinada. No mapa podemos ver que a Região Norte é a mais atrasada em relação ao restante das regiões brasileiras. No segundo mapa, os municípios em vermelho estão com menos de 50% da população que recebeu a 2ª dose ou dose única da vacina, o que representa cerca de 82% do total. Na 1ª Dose, 37% dos municípios ainda não conseguiu ultrapassar a marca de 50% da população vacinada.

Novas medidas

Nesta sexta-feira, 4, o governo do estado pôs fim ao decreto de bandeiramento nos 144 municípios. A partir de segunda-feira, 6, a taxa de ocupação de ambientes pode ser de 100% da capacidade, desde que seja exigida o passaporte vacinal, ou seja, o comprovante das duas doses da vacinação. 

Isto vale para shows, casas noturnas e boates; cinemas, teatros, clubes, bares e afins; em eventos esportivos, amadores e profissionais; assim como em reuniões, eventos e festas, realizadas em espaços públicos ou privados. Além disso, municípios que tenham alcançado 70% da população imunizada estão autorizados a realizarem as festas de reveillón.

Agentes públicos do Poder Executivo Estadual também estarão obrigados a apresentarem o passaporte vacinal, passíveis de PAD àqueles que não se vacinaram ou não fizerem a comprovação.

Aos beneficiários do programa social Renda Pará também será exigida a comprovação da vacinação para o recebimento da terceira parcela do benefício. 

O governo do estado também lançou um aplicativo para facilitar a emissão do certificado de vacinação, o Passaporte da Vacina Pará, que estará disponível na próxima semana.

Deixe sua resposta

Your email address will not be published.

Fechar AD