Foto: Reprodução
///

Transporte Coletivo: como o transporte irregular prejudica a rotina dos passageiros

Na quinta matéria da nossa série “Transportes Coletivo: Problemas e Soluções”, vamos falar sobre os transportes irregulares e porque eles não trazem benefícios aos belenenses

Começar

A crise causada pela pandemia de Covid-19 afetou diversos setores no mundo inteiro. No Brasil, o transporte foi um dos que mais sentiu o baque da crise sanitária. Conforme já tratamos em nossa série, as dificuldades do horários de pico, a falta de estruturas de qualidade e as rotinas pesadas dentro dos ônibus foram alguns dos problemas frequentemente citados pelos usuários. Por outro lado, as empresas afirmam que a falta de suporte, principalmente durante a pandemia, prejudicou o setor. Esse subsídio, visto como essencial para a sobrevivência do setor, viria para ajudar tanto companhias quanto passageiros.

O sistema, já muito castigado, ainda precisa lidar com fatores que prejudicam a rotina do mesmo. É o caso dos transportes clandestinos, ou irregulares, que acabam por “roubar” exclusivamente os passageiros pagantes dos transportes regularizados, já que o clandestino não transporta gratuidades e meia-passagem. Com menos passageiros pagantes sendo transportados no sistema regularizado a passagem vai ficar mais cara, já que o cálculo da tarifa precisa levar em conta a receita e as despesas do sistema.

Passageiros trocam ônibus por vans na capital. Foto: Belém Trânsito.

O Diretor de Operações da Setransbel, Natanael Romero, afirma que essa migração é nociva para o sistema e chama a concorrência de desleal. “O transporte clandestino é nocivo ao sistema, porque não tem como prioridade o usuário, não respeitam a regulamentação, competem com o transporte oficial de forma desleal, não garantem as mínimas condições de circulação e segurança determinadas pelo Detran, ministério do Trabalho e Semob, colocando em risco os próprios motoristas e usuários. Trabalham somente nos horários que lhes são interessantes”, discutiu ele.

Natanael ainda chamou atenção para como o sistema irregular pode prejudicar os usuários dos transportes regularizados. “A tarifa é calculada levando em consideração todos os custos e a quantidade de passageiros transportados. Assim a tarifa é diretamente afetada, pois com menos passageiros o custo da tarifa sobe”, calculou.

Veículos não regulamentados causam prejuízos. Foto: Belém Trânsito.

O BT questionou se, em um cenário que contasse com esses veículos devidamente regularizados, eles poderiam se juntar ao sistema e melhorar a experiência dos passageiros. Para Natanael, eles não têm estrutura para atender às demandas. “O transporte público de Belém é gerido pela Semob e há um conselho deliberativo. Independente de quem opera o sistema, o operador tem que cumprir com as condições mínimas estabelecidas. A clandestinidade não atende estes requisitos e não tem estrutura para isso”, afirmou.

Os transportes irregulares apresentam falta de requisitos e estrutura. Foto: Reprodução.

O Diretor de Operações disse ainda que os transportes irregulares não estão dispostos a seguir as regras estabelecidas para rodar na capital. “A tarifa não cobre os custos e não estão dispostos a seguir as regras estabelecidas como rodar regularmente fora dos horários de pico, transportar gratuidades que hoje correspondem a 25% dos passageiros, rodar até as últimas horas do dia, mesmo com poucos passageiros, manter carros em perfeitas condições e ainda pagar todos os impostos envolvidos”, disse Natanael.

A falta de regras nos transportes irregulares preocupa. Foto: Reprodução.

A falta de fiscalização, falta de segurança, falta de cumprimento de horários, não transportar gratuidades e estudantes, não gerar empregos formais, a falta do recolhimento de impostos e a ausência do Seguro de Responsabilidade Civil – que é obrigatório para as empresas regulares, para a cobertura em casos de mortes decorrentes de acidentes no trânsito – são apenas algumas das realidades verificadas no transporte clandestino ou irregular, mas as diferenças não param por aí, já que além de ter que cumprir com tudo isso o transporte regularizado também realiza investimentos para melhorar a experiência dos passageiros dentro dos coletivos, como exemplos nos últimos anos temos a biometria digital e facial, o uso correto do vale transporte, Circuito Fechado de TV (CFTV), GPS, entre outros. Mas esse assunto nós vamos conversar na próxima matéria.

Deixe sua resposta

Your email address will not be published.

Fechar AD