/

Você quer parar de fumar fumando?

A FDA, depois de anos de discussão, resolveu liberar o uso de um cigarro eletrônico da RJ Reynolds, uma das maiores empresas de cigarro do planeta.

Começar

Quem tem o hábito, ou vício mesmo, de acordar e virar pro lado pra acender um cigarro, sabe bem o quanto é difícil se livrar desta maldição. Isso sem falar naquele cigarrinho logo após um café, ou depois de uma refeição. A verdade é que deixar o cigarro de lado não é tarefa fácil, mas uma nova ajuda está à caminho, seria uma ajuda de verdade?

Hoje existem no planeta algo em torno de um bilhão de fumantes. Partindo do pressuposto que somos oito bilhões de seres humanos morando no planeta, uma em cada oito pessoas ainda fumam no mundo. De cada 10 adolescentes que experimentam o cigarro, 06 se tornam dependentes. Só em 2019, o cigarro foi responsável pela morte de 7 milhões de pessoas. A boa notícia para os brasileiros é que a maior diminuição de fumantes vem acontecendo exatamente no Brasil. Quem sabe com essa ajuda que está chegando mais brasileiros deixem o cigarro de lado?!

Outra boa notícia que vem das pesquisas, confirma que ao parar de fumar, seu corpo reage de forma positiva quase que imediatamente. Se você parar de fumar agora, em cerca de 2 horas não vai haver mais nicotina no seu sangue. Depois de 8 horas, o nível de oxigênio já fica normal. Parando de fumar, de 5 a 10 anos depois, o risco de você ter um infarto é igual ao de uma pessoa que nunca fumou. Qualquer nova ajuda que chegue para debelar essa epidemia de nicotina sempre será festejada, mas o que está vindo aí seria algo saudável?

Mas por quê largar o cigarro é tão difícil ? Muito porque fumar causa bem estar ao dependente. A nicotina se liga imediatamente ao cérebro após a tragada, se fixando em áreas associadas à sensação de prazer e faz com que o fumante busque incessantemente reviver essa sensação. Fora a sensação psicológica, uma quase dependência psíquica em transformar o cigarro em um companheiro de jornada. Para romper com essa jornada de dependência alguns tratamentos são utilizados de forma integrada, como aplicações de laser, adesivos de nicotina,psicoterapia e medicações antidepressivas. Agora, uma decisão da Federal Drug Administration (FDA), a agência norte-americana que controla medicamentos e alimentos, pode trazer mais uma ajuda para os dependentes de cigarro, mas existem controvérsias.

A FDA decidiu, pela primeira vez, autorizar a venda de um cigarro eletrônico nos Estados Unidos, uma mudança de atitude significativa em um dos debates de saúde pública mais acalorados das últimas décadas. Para ela, o dispositivo da RJ Reynolds, que tem a marca VUSE, oferece mais ajuda do que prejuízos para quem é fumante e quer largar o vício. Para a agência Norte-Americana, os aerossóis são muito menos tóxicos do que os cigarros queimados com base nas pesquisas disponíveis. Com a liberação dos cigarros eletrônicos da RJ Reynolds, outras empresas terão seus produtos também liberados. Será que a integridade física dos usuários realmente vai estar garantida usando cigarros eletrônicos? não seria substituir um vício pelo outro?

Como todos sabemos, a indústria do cigarro escondeu por décadas todos os males que a nicotina faz à saúde. Mais que esconder, muitas vezes a indústria do cigarro mentiu e pagou pesquisadores para afirmar que o cigarro não estaria ligado a doenças respiratórias e cardíacas, para ficar só nessas. Hoje, a marca VUSE, a mais utilizada pelos consumidores de cigarros eletrônicos, é de propriedade da RJ Reynolds, que  é uma das maiores empresas fabricantes de cigarro no mundo. Se a mesma empresa que mentiu décadas sobre os malefícios da nicotina, não iria continuar mentindo, agora para continuar manipulando pesquisas para incutir  um novo vício principalmente entre jovens?

Os cigarros eletrônicos, assim como os cigarros comuns, também oferecem nicotina para os usuários, sem as dezenas de  substâncias cancerígenas que vem nos cigarros comuns.

Enquanto cresce assustadoramente o consumo de cigarros eletrônicos em torno do mundo, principalmente entre adolescentes, fica a pergunta: os cigarros eletrônicos seriam apenas um outro vício tão danoso quanto o cigarro comum, ou seria um aliado para que milhares de pessoas deixem o vício pelo cigarro de lado?

Autorização dos cigarros eletrônicos 

A decisão pode abrir caminho para a autorização de alguns outros cigarros eletrônicos, incluindo os do fabricante antes dominante Juul, para permanecer no mercado. Por mais de um ano, os fabricantes de cigarros eletrônicos têm estado em um padrão de espera – a maioria de seus produtos no mercado, mas aguardando autorização oficial – enquanto o FDA investigou se eles eram um benefício ou um perigo para a saúde pública.

“A importância do FDA autorizar um produto de vaporização como ‘apropriado para a proteção da saúde pública’ não deve ser subestimada”, disse Gregory Conley, presidente da American Vaping Association, um grupo da indústria. Ele acrescentou, “Agora que o FDA agiu, temos esperança de que os consumidores adultos e comunicadores de saúde comecem a entender os benefícios de redução de danos oferecidos por estes e outros produtos livres do fumo”.

Nos últimos meses, como parte de sua análise, a agência também encomendou milhares de produtos vaporizadores do mercado, incluindo uma marca que ultrapassou a Juul como favorita entre os adolescentes por seus sabores frutados e doces, Puff Bars. Na terça-feira, ele também rejeitou 10 outros produtos com sabor Vuse, mas não quis dizer quais.

A condenação da decisão de autorizar alguns produtos foi rápida. “Isso joga os jovens para baixo do ônibus”, disse Erika Sward, vice-presidente assistente nacional de advocacy da American Lung Association. Ela disse que a preocupação era com a lógica mais ampla de endosso desses produtos e com a Vuse, que, na pesquisa mais recente do governo sobre o uso de tabaco entre jovens, foi considerada uma das marcas de vaporização mais populares entre os jovens.

O proprietário da Vuse, RJ Reynolds, é uma das maiores empresas de cigarros do mundo. Outra grande empresa de cigarros, a Altria, possui uma participação de 35 por cento na Juul.

A Sra. Sward disse que uma indústria que mentia sobre enganchar gerações em um produto mortal que matou milhões agora estava posicionada para controlar a próxima iteração do mercado de nicotina. “A indústria está esperando por seu próximo grande sucesso e eles o encontraram com os cigarros eletrônicos”, disse ela.

Kaelan Hollon, porta-voz da Reynolds American, controladora da RJR, disse que a decisão “representa um momento importante para a Reynolds” e mostrou que os produtos autorizados “são adequados para a proteção da saúde pública”.

Chegada dos cigarros eletrônicos no mercado

Os cigarros eletrônicos chegaram ao mercado americano no início dos anos 2000 como dispositivos projetados para dar aos fumantes a dose de nicotina que eles ansiavam, sem os carcinógenos que vêm da queima de cigarros. Mas cerca de seis anos atrás, com o lançamento dos produtos elegantes da Juul com sabores frutados e sobremesas, o uso de cigarros eletrônicos entre adolescentes começou a disparar e as autoridades de saúde pública temeram que uma geração de não fumantes estivesse se tornando viciada na nicotina.

Permitir que alguns dispositivos de vaporização permaneçam no mercado como alternativa ao fumo, acreditam alguns especialistas em saúde pública, pode tornar mais fácil para o governo impor uma regulamentação mais rigorosa sobre os cigarros tradicionais, cujos vapores cancerígenos podem causar câncer e desempenhar um papel em mais de 400.000 mortes nos Estados Unidos a cada ano.

Depois de resolver o problema de vaporização, a divisão de tabaco do FDA avançará com um plano para reduzir a quantidade de nicotina nos cigarros combustíveis. Em sua estratégia de controle do tabaco, anunciada em julho de 2017, o FDA disse que tentaria forçar as empresas de tabaco a reduzir a nicotina em seus produtos para níveis não viciantes. A indústria do cigarro se opõe ao movimento.

O FDA também está trabalhando em seu plano para eliminar os cigarros mentolados do mercado, uma perspectiva contra a qual a indústria do tabaco está fazendo lobby vigoroso.

Clifford Douglas, diretor da University of Michigan Tobacco Research Network, disse que a autorização de Vuse foi “uma boa notícia inicial em termos de a agência deixar claro seu foco em fornecer alternativas bem avaliadas de redução de danos para adultos”.

“Esta decisão deixa claro o entendimento científico do FDA de que os cigarros eletrônicos são intrinsecamente significativamente menos perigosos do que os produtos de tabaco combustíveis”, disse Douglas. “E fica igualmente claro que esses produtos podem ser bons para a proteção da saúde pública e, portanto, potencialmente ajudar milhões de fumantes adultos viciados a parar de fumar.”

Os produtos específicos com autorização do FDA são o Vuse Solo Power Unit e dois cartuchos de reposição com sabor de tabaco, cada um com cerca de 5% de nicotina.

Em seu anúncio, o FDA disse que estava ciente do uso pesado de produtos Vuse pelos jovens, mas que estava aprovando “sabores de tabaco”, que são menos atraentes para os adolescentes. A agência também disse que estava impondo restrições ao marketing digital, de rádio e televisão, enquanto os críticos argumentavam que o FDA parecia deixar muito espaço para outros tipos de marketing que poderiam afetar os jovens.

“Eles são simplesmente inadequados”, disse Eric Lindblom , ex-funcionário da política de tabaco da FDA e pesquisador sênior do Instituto O’Neill de Leis de Saúde Nacional e Global de Georgetown Law.

Ele questionou as restrições à propaganda na televisão, que só permitem a exibição de comerciais em programas com um baixo percentual de usuários adolescentes. Lindblom disse que os adolescentes ainda podem ver os anúncios da Vuse, seja na televisão ou se forem copiados e colocados no YouTube, como aconteceu com Juul.

“Eles estão permitindo o marketing por meio de parceiros, celebridades e embaixadores da marca. Este é um problema real ”, disse Lindblom.

Entre as principais questões que o FDA não resolveu na terça-feira está o que planeja fazer com os cigarros eletrônicos com sabor de mentol, que os críticos dizem que atrairão os jovens e os defensores dos cigarros eletrônicos ajudarão a atrair os fumantes atuais a parar. A agência disse que “ainda está avaliando” a aplicação da Vuse para mentol.

Reynolds, em seu próprio comunicado, disse que poderia “ainda vender legalmente” os produtos que permanecem sob análise.

Deixe sua resposta

Your email address will not be published.